• bg


lactose, o que é?
 

Numa altura em que a alimentação saudável está em voga, ouvimos frequentemente falar dos benefícios e malefícios de vários alimentos e de produtos alternativos. Ao passarmos num supermercado de produtos biológicos reparamos que existem muitas sugestões de alimentos isentos de lactose, como o leite, o queijo ou os iogurtes com “zero lactose”.

 

Mas afinal o que é a lactose?
 

A lactose é um hidrato de carbono, composto por glicose e galactose. Este açúcar que está naturalmente presente nos lacticínios é o único hidrato de carbono do leite, exclusivo deste alimento. Para ser absorvida, a lactose tem de ser digerida e dividida nos seus açúcares mais simples (glicose e galactose). Por isso, o nosso corpo produz uma enzima específica que tem essa função: a lactase, produzida na mucosa do intestino delgado.

 

Onde se encontra?
 

Podemos encontrar a lactose na manteiga, nos queijos, iogurtes e leites tradicionais e noutros alimentos processados, onde esta substância é adicionada, como por exemplo nos gelados, molhos, refeições pré-cozinhadas, sopas instantâneas, fiambres, salsichas, bolos, bolachas, pães embalados, medicamentos entre outros.

 

Os produtos lácteos, rotulados "sem lactose" ou “0% lactose”, apenas sofrem adição da lactase (enzima específica para a sua digestão), desdobrando-a nos seus açúcares simples. Deixamos de ter lactose passando a ter glicose e galactose, motivo pelo qual estes produtos são normalmente mais doces.

 

Para além de lácteos sujeitos à hidrólise enzimática da lactose, temos ainda disponíveis outros produtos. Por exemplo as bebidas de origem vegetal de arroz, aveia, amêndoa, coco, caju, avela ou soja, não têm lactose na sua composição.

 

Os efeitos indesejáveis no nosso organismo
 

Quando a lactose não é digerida corretamente permanece intacta no intestino sem ser absorvida. Isto pode promover a chamada de água para o intestino, resultando vulgarmente em sintomas clássicos de diarreia. A lactose ao permanecer no intestino acaba também por ser fermentada pelas bactérias da flora intestinal produzindo excesso de gás, gerando desconforto abdominal, inchaço, dor e flatulência. A intensidade destes sintomas varia de pessoa para pessoa, consoante a quantidade de lactase produzida e a quantidade de lactose ingerida (ou seja, de acordo com o tipo de alimento consumido)

 

Ao longo da vida vamos perdendo a capacidade de digerir a lactose dos alimentos, por este motivo muitos adultos sentem um mau estar depois de consumirem leite ou os seus derivados, mesmo que em pequena quantidade. Muitos intolerantes à lactose desconhecem esta condição, não associando o mau estar sentido aos ingredientes em si. Especialmente quando se tratam de alimentos ou receitas com lactose “escondida”. Neste caso o ideal é estar atento à rotulagem nutricional e verificar a presença de lácteos ou lactose.

 

Se sente algum desconforto sempre que come um destes alimentos, existem formas rápidas e rigorosas de diagnosticar e confirmar uma intolerância à lactose, como o teste respiratório de hidrogénio, que pode solicitar junto do seu médico. A confirmação do diagnóstico é determinante uma vez que os sintomas da intolerância à lactose podem ser difíceis de identificar e podem ocorrer provocados por outras situações clínicas. Por isso o "teste" é importante para verificar se a redução ou eliminação da lactose na sua dieta vai fazer com que se sinta menos inchado, e com um menor desconforto abdominal.